.

Assembléia Cristã em Londrina - Irmãos em Londrina - Congregação Cristã em Londrina - Igreja Cristã em Londrina - Igreja doméstica - Igreja em casa - Igreja Primitiva - Igreja Apostólica...

Translate

domingo, 18 de julho de 2010

O Aborto conforme as escrituras!


Esta escrito “Antes que eu te formasse no ventre te conheci, e antes que saísses da mãe te santifiquei; às nações te dei por profeta.” (Jeremias 1:5) A Bíblia deixa claro que Deus, não só nos conhece, como nos destinou aos seus caminhos, dando-nos valor e reconhecimento antes mesmo de nascermos. Antes mesmo de nascer, Deus atua na vida de cada um. “Pois tu formaste os meus rins; entreteceste-me no ventre de minha mãe. Eu te louvarei, porque de um modo tão admirável e maravilhoso fui formado; maravilhosas são as tuas obras, e a minha alma o sabe muito bem.” (Salmos 139:13-14) Um dos mandamentos é “Não matarás.” (Êxodo 20:13) Dados gritantes de pesquisa mundial revela fatos estarrecedores: 95% dos abortos são feitos por razões de "conveniência", ou seja, por mero desejo de não ter um filho, no entanto, especialistas no assunto, deixam claro que, mesmo no caso de violência, como no "estupro", o aborto jamais livrará a mulher do trauma, antes poderá ainda sofrer um novo "peso na consciência" pela vida inocente que permitiu eliminar. Um dos argumentos mais usados é o de que a mulher, tem o direito de escolher se quer ou não quer o bebê, um certo absurdo já que o bebê também tem direito a vida, e o que querem é negar a ele o direito a vida; direito este que somente a Deus pertence: "O Senhor é que tira a vida e a dá: faz descer à terra e faz tornar a subir dela" (1.ª Samuel 2:6). Dizer que Deus não se preocupa e que isto é decisão de cada um, é ir contra seus princípios, em ÊXODO 21:22,23 lemos: "Se alguns homens pelejarem e ferirem uma mulher grávida, e forem causa que. aborte, porém se não houver morte, certamente será multado... Mas se houver morte, então darás vida por vida". Perceba o leitor que o Altíssimo condena o aborto provocado! É normal as pessoas questionarem a chance da criança nascer com "problemas", na verdade é como se culpassem a Deus por isto, porém esta escrito: "Quem fez a boca do homem? Ou quem fez o mudo ou o que vê, ou o cego ? Não Sou Eu, o Senhor?" (Êxodo 4:11). "E passando Jesus, viu um cego de nascença. E os seus discípulos lhe perguntaram, dizendo: "Rabi, quem pecou, este ou seus pais, para que nascesse cego ?" Jesus respondeu: "Nem ele pecou nem seus pais, mas foi assim para que se manifestem nele as obras de Deus" (S. João 9:1-3). Relembrando: "O Senhor me chamou desde o ventre, desde as entranhas de minha mãe fez menção do meu nome;... O Senhor me formou desde o ventre para seu servo..." (Isaías 49:1,5). Salmo 139: "Pois Tu formaste os meus rins; entreteceste-me no ventro de minha mãe. Os Teus olhos viram a minha substância ainda informe, e no Teu livro foram escritos todos os dias, sim, todos os dias que foram ordenados para mim, quando ainda não havia nem um deles".


O termo “expor infantes” se refere à prática de abandonar a um bebê recém nascido ao lado dos caminhos ou carreteiras, deixando-o ali para que morra de frio ou seja recolhido por alguém, usualmente para ser criado como um escravo ou uma prostituta.

Se alguns homens brigarem, e um ferir uma mulher grávida, e for causa de que aborte, não resultando, porém, outro dano, este certamente será multado, conforme o que lhe impuser o marido da mulher, e pagará segundo o arbítrio dos juízes; Êxodo 21:22.

Não matarás a teu filho no seio da mãe nem, uma vez nascido, lhe tirarás a vida. Barnabé (70-130 d.C.)

Mas o caminho do ‘negro’ é torto e cheio de maldição dos quais são ignorantes daquele que os criou, assassinos de seus filhos pelo aborto, destruidores da obra de Deus, que jogam de sim ao precisado. Barnabé (70-130 d.C.)

Não farás abortar a criatura engendrada na orgia, e depois de nascida não a farás morrer. Didaquê (80-140 d.C.)

(Os cristãos) casam-se como todos os demais homens e engendram filhos; mas não se desforram de sua descendência. Epístola a Diogneto (125-200 d.C.)

Tão longe estamos nós de prejudicar a algum ou de realizar alguma impiedade, que recebemos o ensino de que expor aos meninos ainda recém nascidos, é de homens perversos. Justino Mártir (160 d.C.)

Quando dizemos que aquelas mulheres que usam as poções para causar o aborto são homicidas e terão que render conta a Deus por seu fato, como seria possível que matássemos [aos infantes]? Seria insensatez que disséssemos que o menino na matriz é criação de Deus, e por tanto objeto do cuidado de Deus, e depois que nasça o matássemos. Atenágoras (175 d.C.)

Os cristãos têm bem mais respeito pela vida humana do que os pagãos. Por isso, condenam o costume de abandonar aos meninos recém nascidos. Atenágoras (175 d.C.)

Nós afirmamos que as que praticam o aborto cometem homicídio e terão de dar conta a Deus do aborto. Por que razão teríamos de matar? Não se pode pensar ao mesmo tempo em que o que leva a mulher no ventre é um ser vivente, e, por isso, objeto da providência de Deus, e matar depois ao que já avançou na vida; não expor ao nascido, por crer que expor aos filhos equivale a matá-los, e tirar depois a vida ao já crescido. Nós somos sempre e em tudo conseqüentes e conformes conosco mesmos, pois obedecemos à razão e não lhe fazemos violência. Atenágoras (175 d.C.)

O casal é o desejo de procriar filhos, não uma desordenada efusão de sêmen, contrária à lei e à razão… Porque há quem ocultam sua fornicação utilizando drogas abortivas que levam à morte definitiva, sendo assim causa não só da destruição do feto, senão também do amor do gênero humano. Clemente de Alexandria (195 d.C.)

(Falando das praticas entre as mulheres pagãs) Porque essas mulheres, que para esconder sua conduta ruim utilizam drogas abortivas que expulsam uma matéria absolutamente morta, fazem abortar, ao mesmo tempo em que ao feto, seus sentimentos humanos. Clemente de Alexandria (195 d.C.)

Em nosso caso, já que proibimos o homicídio em qualquer forma, não podemos destruir nem sequer ao menino no ventre… Impedir que nasça um menino é somente uma forma de matar. Não há diferença se tira a vida do que já nasceu, ou do que não nasceu ainda. Tertuliano (197 d.C.)

Mantemos, pois, que a vida começa na concepção, pois defendemos que a alma existe desde este momento, e o princípio da vida é a alma. Simultaneamente se une para a vida, o que simultaneamente se separa na morte. Tertuliano (197 d.C.)

Vejo, efetivamente, que vocês (os pagãos) aos filhos que engendraram os expõem às feras e às aves, ou os estrangulam, submetendo-os a um gênero de morte deplorável, há inclusive mulheres que, mediante a ingestão de drogas, destroem em suas mesmas entranhas a origem do futuro ser humano, cometendo um homicídio antes de dar a luz. E estas coisas, sem dúvida, provem do ensino de seus deuses. Marco Minucio Félix (200 d.C.)

A lei de Moisés castiga com penas justas à pessoa que aborta, pois ali se iniciam as primeiras etapas do ser humano. Já que o feto nesta etapa já é susceptível à vida e à morte, é considerado um ser humano. Tertuliano (210 d.C.)

Entre os instrumentos dos cirurgiões, há um desenhado com o propósito principal de abrir o útero e depois mantê-lo aberto. Também existe uma faca redonda, com o qual os membros dentro do ventre são arrancados com muito cuidado. Por último há um gancho encoberto, com o qual o feto é extraído de forma violenta. Existe também uma agulha de ponta de cobre, com o que se realiza a morte neste roubo da vida. Por sua função infanticida se lhe pôs o nome de “assassino do infante.” Por suposto, este infante anteriormente tinha estado vivo. Tertuliano (210 d.C.)

Ao contemplar uma cerimônia idolátrica, posso contemplar um ato de adultério. Por um lado a idolatria o precede; e pelo outro, o assassinato segue em companhia… ¡As parteiras também o testemunham! ¡Quantas concepções adúlteras são massacradas! Tertuliano (212 d.C.)

Algumas mulheres que eram supostas crentes começaram a utilizar drogas anticonceptivas. Também utilizavam faixas ajustadas para expulsar o que tinham concebido, pois não queriam ter um filho de um escravo ou de gente comum devido ao interesse de suas famílias e a suas excessivas riquezas. ¡Olhem quão grande impiedade está promovendo o malvado! Ele ensina o Adulterioe o assassinato o mesmo tempo. Hipólito (225 d.C.)

Não posso encontrar palavras para falar dos infantes que são sacrificados ao primor Saturno. Lactâncio (304-313 d.C.)

Os pagãos estrangulam á seus próprios filhos recém nascidos. Ou se mostram mais piedade, expõem-nos. Lactâncio (304-313 d.C.)

Ninguém pense que é tolerável estrangular a um filho recém nascido, pois é uma grande impiedade… Podem ser consideradas inocentes aquelas pessoas que expõem a sua própria descendência como presa para os cachorros? Quanto a seus atos, eles os matam de um modo mais cruel do que se os estrangulassem… Por tanto, se algum não é capaz de criar filhos por razões de pobreza, é melhor abster-se do casal do que estragar a obra de Deus com mãos perversas. Lactâncio (304-313 d.C.)
Postar um comentário

Google+ Followers