.

Assembléia Cristã em Londrina - Irmãos em Londrina - Congregação Cristã em Londrina - Igreja Cristã em Londrina - Igreja doméstica - Igreja em casa - Igreja Primitiva - Igreja Apostólica...

Translate

segunda-feira, 24 de novembro de 2008

ARTIGOS DE FÉ E DOUTRINA, LITURGIA...

* No inicio de 2009 haverá uma nova convenção, onde havendo necessidade pode ocorrer de alguns topicos serem alterados ou novos adicionados.
PRIMEIRA CONVENÇÃO DA IGREJA ASSEMBLÉIA CRISTÃ BRASILEIRA


CAPÍTULO I

ARTIGOS DE FÉ E DOUTRINA PARA A IGREJA

A fé e doutrina que a igreja prega e ensina está de acordo com as Escrituras Sagradas (Bíblia Sagrada).

- Art. 1º - Cremos na inteira Bíblia Sagrada, (nos trinta e nove livros no N.T. e vinte e sete do N.T) e aceitamo-la como verdadeira e fiel Palavra de Deus inspirada pelo Espírito Santo. Através da qual somos ensinados, redargüidos, admoestados, julgados, preparados e consolados, para o aperfeiçoamento da fé cristã e do cumprimento dos mandamentos de Deus que por seu Filho Jesus Cristo foi pregado. (II Ped. 1.21; II Tim. 3.16,17; Rom. 1.16)
(Mateus 22: 37) Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu pensamento.
(Mateus 22: 39) E o segundo semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo.
Destes dois mandamentos depende toda a Lei e os profetas.

Art. 2º - Cremos no único e verdadeiro Deus, todo poderoso, o criador de todo o universo, e que é e que era e que há de vir. Ao qual devemos toda a honra, toda a glória por todo o sempre. Amém. Em cuja unidade há três pessoas distintas. O PAI, O FILHO E O ESPÍRITO SANTO. (Ef. 4:6; Mat. 28.19; I João 5.7).

Art. 3º - Cremos em Jesus Cristo como o unigênito Filho de Deus, que desceu dos céus para cumprir a sua obra de redenção para com o pecador. A Palavra de Deus feita carne e por seu sangue trouxe a remissão dos pecados. Cremos que este mesmo Jesus que foi morto na cruz, ressuscitou e subiu aos céus e está assentado à direita do Pai. De onde há de vir julgar os vivos e os mortos. Ele é o verdadeiro homem e o verdadeiro Deus, e é o único Salvador e mediador entre Deus e os homens. (Luc. 1.27,35; João 1.14; I Ped. 3.18 I Tim 2.5).

- Art. 4º - Cremos no Espírito Santo, o qual regenera o pecador e santifica todo o crente, no qual, habita como prêmio e garantia de sua salvação eterna, para consolar, fortalecer e conduzi-lo numa vida de obediência a Deus. E em Si mesmo enriquece a Igreja de Cristo com dons espirituais, dando-lhe a união e a guia no cumprimento de sua missão.

- Art. 5º - Cremos na existência dos seres celestiais, os Anjos de Deus, que são ministros de Deus para cumprirem a sua vontade e que pela vontade de Deus são enviados a terra para atender e guardar o povo de Deus. (Sal. 91.11; Mat. 1.20; 2.13,19; 4.11; Luc. 4.10; 16.22; Heb. 1.6; 12.22; apoc. 14.10;)

- Art. 6º - Cremos na existência do diabo (satanás) a antiga serpente e seus anjos (espíritos maus, demônios), o qual luta constantemente contra o homem que serve a Deus, procurando fazer com que se distancie do caminho da verdade. E que devemos rejeitar toda a tentação vinda de sua parte para que possamos estar firmes na fé em Jesus. E que serão todos lançados no fogo eterno (Mat. 4:1; 25.41; Ef. 4.27; Jud. 9)

- Art. 7º - Cremos Que Cristo o Filho de Deus, voltará para arrebatar a sua Igreja. Porque cremos que Jesus morreu e ressuscitou, assim também aos que em Jesus dormiram, Deus os ressuscitará. Porque o mesmo Senhor descerá do céu com alarido, e com voz de arcanjo, e com trombeta de Deus; e os que morreram em Cristo ressuscitarão primeiro. Depois aos que ficarem vivos, serão arrebatados juntamente com eles nas nuvens, a encontrar o Senhor nos ares, e assim juntos estaremos para sempre com o Senhor. (I Tess. 4.14-17)

- Art. 8º - Cremos no batismo do Espírito Santo, e na diversidade de dons por Ele concedido a todos quanto Deus chamar na sua maravilhosa Graça. Sendo, portanto as linguagens diferentes, um sinal de que o fiel foi batizado pelo Espírito Santo. (Atos 2:4; 10:45-47; 19:6) A manifestação do Espírito Santo é dada a cada um, para o que for útil.( I Cor. 12: 1-11; 14:26-40).

- Art. 9º - Cremos na necessidade de nos abster das coisas, sacrificada aos ídolos, do sangue, da carne sufocada e da fornicação, conforme o Espírito Santo mostrou aos discípulos na assembléia de Jerusalém. (Atos 15: 28-29). Devemos então fugir da idolatria e dos cultos de demônios. (I Cor. 10: 14-21)

- Art. 10º - Batismo:
O batismo que a Igreja reconhece ser o verdadeiro é aquele em que o homem arrepende-se de seus pecados e confessa ao Senhor Jesus. Pelo qual todo homem é regenerado para viver em uma nova vida debaixo da graça de Jesus Cristo.
O batismo é feito por imersão nas águas, EM NOME DO SENHOR JESUS (Atos 2.38) e EM NOME DO PAI E DO FILHO E DO ESPÍRITO SANTO. (Mat. 28.18-19).

- Art. 11º - Santa Ceia:
A Santa Ceia será realizada de forma cerimonial, uma vez por ano em cada congregação local. Será apresentado a Deus o cálice com vinho e o pão, para serem, servidos aos fiéis. Todo aquele que participar da Santa ceia deverá estar de acordo com a Sã Doutrina, crente batizado na mesma fé e doutrina. (I Cor. 11:23-29).

- Art. 12º - Cultos:
Os cultos são instituídos para a igreja louvar ao Senhor Deus por Jesus Cristo seu amado filho. Toda honra, toda glória, todo louvor, pertencem ao nosso Deus.

- Art. 13º - Orações e Jejuns:
Devemos orar a Deus, suplicando e agradecendo tudo em nome do Senhor Jesus. Orando por todos os homens em toda oração e súplica no espírito. Estando dentro da casa de oração, ou dentro de nossa própria residência devemos buscar a Deus em oração com os joelhos dobrados. O Senhor Jesus quando orou no Jardim Getsêmani, orou prostrado em seu rosto isto é ajoelhado e com rosto no chão (Mat.26.36) e sendo Ele o modelo Santo e Perfeito, devemos usar da mesma forma. Quanto ao orar em pé, consideramos os lugares que não nos proporciona condições para nos ajoelhar. Como diz nas escrituras; Ao nome de Jesus todo o joelho se dobre, em cima nos céus e embaixo na terra.
Se os próprios anjos, os quatro animais, e os 24 anciães, prostraram-se e lançaram as suas coroas diante do trono de Deus e do Cordeiro, por que nós homens, não faríamos o mesmo nos humilhando diante do Senhor?
A oração é a maneira que o crente tem para comunicar-se com Deus, particular ou coletivamente.
Não há limite para se fazer orações, quanto mais pedirmos ao Senhor, mais nossa fé aumentará e teremos que esperar com paciência. A oração não precisa ser feita com gritarias, pois Deus está bem perto de cada um de nós. Às vezes a oração em silêncio é a que poderá mais rapidamente ser atendida. Vemos o exemplo de Ana a Sacerdotisa. Quando orava no templo, apenas movia seus lábios e Deus a ouviu. Devemos orar em todo tempo com orações e súplica por todos os santos (Efésios. 6.18)
Quanto ao Jejum, devemos nos espelhar ao que o Senhor Jesus aplicou no sermão do monte. Mat. 6 vs. 16, 17,18.
Se fizermos Jejum, será tal como um voto ao Senhor, porém cumprindo o jejum não devemos contar a ninguém nem na igreja, pois assim estaríamos sendo como os hipócritas tocando trombeta diante de todos. O Senhor que nos vê em segredo nos recompensará publicamente.

- Art. 14º - Sangue e carne sufocada
Devemos nos abster do sangue e da carne sufocada, conforme o Espírito Santo mostrou aos apóstolos na assembléia de Jerusalém. O sangue é a vida do animal, portanto tudo que seja feita exclusivamente com sangue de animal não podemos comer, nem beber. Quanto à carne de tudo quanto se vende no açougue 5comemos sem nada perguntar. A carne sufocada é neste caso quando o animal é morto e não derramado o seu sangue. Por exemplo, a carne de caça e galinha com pescoço apenas quebrado. É necessário derramar o sangue do animal na terra, para que não venhamos a pecar contra o Senhor Deus. A vida do animal é o sangue, e a vida pertence a Deus.

- Art. 15º - UNÇÃO
Quanto à unção devemos seguir o que nos mostra na Epístola de Paulo a Tiago, cap. 5 vs.14,15. - Está alguém entre vós doente? Chame os presbíteros da igreja, e orem sobre ele, ungindo-o com azeite em nome do Senhor; E a oração da fé salvará o doente, e se houver cometido pecados ser-lhe-ão perdoados. A unção cabe aos presbíteros fazerem, e somente em casos extremos, não se pode pedir a unção por qualquer enfermidade.

- Art. 16º - A Igreja de Cristo
Cremos que todos os redimidos constituem a Igreja Universal, e são membros do Corpo de Cristo cuja única cabeça é Ele.
Cada congregação local ou regional de crentes em Cristo, unidos debaixo da direção do espírito Santo, para tributar adoração a Deus, promover edificação de seus membros é parte integrante da Igreja Universal do Senhor.

Art. 17º - Santificação
Cremos que a Santificação é obra realizada pelo Espírito Santo de acordo com a Palavra de Deus. Para tanto o crente deve viver uma vida santa, apartando-se de toda espécie de mal, em obediência às Santas Escrituras, em suas normas de santidade.

Art. 18º - Ministros
Cremos que Jesus Cristo em sua sabedoria separou e continua separando para a sua Igreja homens para o exercício de seu ministério apostólico. Sendo estes, apóstolos, profetas, evangelistas, pastores e ministros através dos quais o Senhor tem feito milagres e curas de enfermidades.
Ficando definido o MINISTÉRIO DE SERVIÇOS ESPIRITUAIS na Igreja em: Ancião, Diácono, Diaconisa, Presbítero ou Cooperador.

Art. 19º - Ressurreição
Cremos que haverá ressurreição dos mortos, tanto justos como injustos. Os justos irão para a vida eterna e os injustos para a vergonha e desprezo eterno.

CAPÍTULO II
ENSINAMENTOS

Vestuário
Quanto ao vestuário não precisaremos nos aprofundar muito no assunto. Pois teremos como referência apenas o que nos demonstram as Escrituras Sagradas.

Sempre houve a preocupação com a maneira dos trajes da mulher, como veremos a seguir.
Vestidos das Mulheres:
I Tim. 2:9 - Que do mesmo modo as mulheres se ataviem em traje honesto, com pudor e modéstia, não com tranças, ou com ouro, ou pérolas, ou vestidos preciosos.
I Ped. 3:3 - O enfeite delas não seja o exterior, no frisado dos cabelos, no uso de jóias de ouro, na compostura de vestidos.

Ao que entendemos que:
A mulher cristã deve trajar-se honestamente e com pudor. Não imitando os modelos do mundo, nem andando como o mundo anda. Pois quem imita o mundo é inimigo de Deus.

Também ao homem não convém andar desonestamente. Porém deve seguir o exemplo dos santos do passado. Sempre na simplicidade, modéstia e pudor. Não convém ao cristão modelar-se com o mundo.


Reuniões familiares
Todos são livres para se reunirem em suas casas em qualquer tempo a fim de orarem, e louvarem ao Senhor, mas sempre no temor de Deus, no amor, em união e paz uns com os outros, em conformidade com a doutrina e os ensinos da igreja. Não desprezando as reuniões e cultos nas igrejas, onde o crente é edificado, consolado, pela Palavra de Deus para viver em harmonia como um só corpo.

Casamentos
O casamento é uma instituição dada por Deus. Todos os que se unirem em matrimônio devem observar os mandamentos da Palavra de Deus, segundo o Evangelho de Cristo. Cada casal deverá unir-se em cerimônia civil de acordo com a lei vigente do País. Quanto aos amasiados que desejarem batizar-se devem primeiramente cumprir com a lei civil, casando-se legalmente.
Quanto à cerimônia religiosa, nada nos consta nas escrituras que devamos realizá-la, pois acreditamos que estando ligado pela lei civil o casal já estará unido perante o Senhor.
A Palavra de Deus nos mostra, que não é bom alguém contrair matrimônio com infiéis. Pois que comunhão tem a luz com as trevas? Se alguém o fizer saiba que sofrerá em sua própria vida as conseqüências da desobediência à Palavra de Deus (I Cor. sete).

Divórcio e separações
Não será permitido a separação ou divórcio de casais crentes e batizados, por qualquer motivo fora do que nos determina a Palavra do Senhor (Mat. 19:9) I Cor. (7.10,11). Somente é permitido pelas escrituras Sagradas a separação ou divórcio em caso de infidelidade conjugal. Ficando assim o pecador sujeito as regras de disciplinas da igreja, e quanto à sua salvação pertence ao Senhor, o mesmo ser julgado. (Heb. 13:4)

Revelações, profecias e visões.
Deus tem derramado do seu Espírito Santo sobre o seu povo na terra, dando-lhe dons diversos, tal como Paulo escreveu em I Cor. Cap. 12. Porém, convém que todos saibam discernir os espíritos e buscar de Deus o discernimento sobre todas as manifestações que houver principalmente fora da congregação dos santos.

Idolatria e culto de demônios
Quanto à idolatria devemos seguir o que nos mostra a Palavra de Deus. Toda imagem de escultura, símbolos, figuras, seja de qual for o material usado, e feito para adoração e culto, devemos nos abster destas práticas, nem participar de seus cultos ou banquetes, que pela Palavra de Deus nos é proibido. Adoramos somente ao único e verdadeiro Deus, criador dos céus e da terra, e seu filho Jesus Cristo. Nem mesmo os anjos recebem adoração.
(I Cor. 10.14,21- Sal. 115)

Estudos Bíblicos
Para que não haja nenhum engano, e não venhamos a proferir coisas que não estão dentro das Escrituras, é necessário que todo o crente seja instruído e ensinado na leitura da mesma. Ao passo que ministros forem apresentados para ingressarem o ministério da Palavra, serão primeiramente instruídos e ensinados em estudos bíblicos dentro da doutrina cristã. A maneira da instrução e estudos será definida pelo corpo ministerial da igreja.

Neófitos
Ao novo batizado, chamado de neófito, não convém que o mesmo se julgue preparado para pregações da Palavra diante do povo. O mesmo aprenda a ser servido para depois então quando for da vontade do Senhor e for devidamente instruído terá oportunidade de servir ao Senhor no que for necessário.

Obras da Piedade/Caridade
As obras da Piedade/Caridade são realizadas por toda a igreja para o atendimento ao pobre e ao necessitado. Inclusos nestes atendimento estão o crentes de mesma fé e doutrina cristã, doentes, aposentados, viúvos e viúvas, órfãos, desempregados. A assistência será feita através do ministério de diáconos e diaconisas, mediante a disponibilidade da igreja.
Porém como nos ensina a Palavra de Deus, quem tiver viúvo ou viúva em casa tem por dever de cuidar e zelar por eles, não sobrecarregando a igreja, salvo o caso de houver a necessidade de que a igreja o faça.


Capítulo III -

ESTUDOS EXPLICATIVOS

A IGREJA DE CRISTO

(Mateus 16.18), POIS TAMBÉM TE DIGO QUE TU ÉS PEDRO E SOBRE ESTA PEDRA EDIFICAREI A MINHA IGREJA.


Igreja: tradução da palavra grega ICCLESIA, significa Assembléia.
Nas Escrituras usa-se o termo das seguintes maneiras:
1- Reunião Popular (Atos 19.32,39)
2- Congregação dos Israelitas no Velho Testamento (Ex. 19: 3,17; Atos 7.38)
3- Reunião de crentes para o culto (I Cor. 11.17,18)
4- Um grupo local de crentes Associados para fins de culto e serviços a Deus (Atos 5.11; 8.3)
5- Conjunto de todos os crentes de todo o mundo (I Cor. 15.9; Gal 1.13)
6- No sentido mais amplo, o conjunto de todos os redimidos (Ef. 5.23,25 27,29; Heb 12.22,23)

Como vemos a Igreja é um corpo formado por membros ativos, que unificados numa mesma fé e sentimentos, reúnem-se para cultuarem ao Deus vivo e que seguem os mesmos preceitos bíblicos fundamentados nos ensinos apostólicos.
No Velho Testamento era chamada de Congregação, pois era a reunião dos Israelitas para juntos ouvirem a leitura da Lei, ou para oferecerem os sacrifícios.
Jesus chamou de sua Igreja, o que nos dá a entender que, foi já especialmente por Ele dito em Mateus 16.18. Quando disse a Pedro: Em ti edificarei a minha Igreja.
Ora se algo está para ser edificado, então não existia. A Igreja de Cristo estava já planejada, só faltava edificá-la. Este é o sentido das palavras do Senhor. Dali em diante seria edificada a sua Igreja, a Amada, a Eleita. Isto dá o sentido de afinidade a alguém. Pois assim foi a demonstração do Senhor Jesus durante o tempo de sua peregrinação na terra. Pois começou a fazer um alicerce, para a sua obra. Uma obra, não material, mas espiritual. Assim como um bom construtor, que prepara a planta para edificar uma casa. Primeiro toma os fundamentos e lança a pedra fundamental. Ele mesmo é a pedra fundamental. Sim a pedra que os edificadores rejeitaram, esta foi posta por cabeça (Mat. 21.42; Mar. 12:10; Luc. 20:17; Ped. 2:7)
Jesus então começou a edificar esta Obra, foi o início do alicerce e tendo alistados os apóstolos para continuar a sua obra. Sendo, portanto estes os novos edificadores. Pedro foi citado pelo Senhor Jesus para que nele fosse edificada a sua Igreja. Deus traçou o plano de salvação, anunciando antecipadamente pelos profetas, que profetizaram sobre a obra de Deus. Estes foram os que traçaram os riscos e colocaram os marcos de partida para o início de uma obra a ser futuramente realizada. (Isaías caps. 50 e 60).
Miquéias cap. 5. A predição do Nascimento do Messias e da instituição do seu reino. Vejamos o vs. 4. E Ele permanecerá e apascentará o povo na força do Senhor, na excelência do nome do Senhor seu Deus, e eles permanecerão, porque agora será Ele engrandecido até os fins da terra. E nos vs. 7 e 8 diz: E estará o resto de Jacó no meio de muitos povos, como orvalho do Senhor, como chuvisco sobre a erva, que não espera pelo homem, nem aguarda filhos de homem. E o resto de Jacó estará entre as 7 nações, no meio de muitos do bosque, como um leãozinho entre os rebanhos de ovelhas, o qual, quando passar as pisará e despedaçará sem que haja quem os livre.
Esta profecia sobre a vinda do Messias para Israel declara o aparecimento de sua igreja, quando o Senhor começar ajuntar os desterrados de Israel, entre as nações e povos da terra.
Vejamos o que diz Isaías (cap. 9:6)
Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu; e o principado está sobre os seus ombros; e o seu nome será Maravilhoso, Conselheiro, Deus forte, Pai da eternidade, Príncipe da Paz.
Estas são as profecias do Messias, o enviado para resgatar Israel de sua transgressão. Mas será que só Israel tem o direito da salvação? Israel faz parte de uma promessa, e um concerto feito por Deus com Abraão. Como está escrito.
Creu Abraão, e isto foi-lhe imputado por justiça. Deus fez promessa a Abraão, de que todas as nações da terra seriam benditas por causa de sua obediência.
(Gen. 22:18) E em tua semente serão benditas todas as nações da terra, porquanto obedeceste a minha voz.
A promessa de Deus continuou com Isaque como lemos em Gen. 26: 3,4, quando o mesmo Deus de Abraão apareceu à Isaque e disse-lhe; E multiplicarei a tua semente como as estrelas dos céus. E darei à tua semente todas estas terras. E em tua semente serão benditas todas as nações da terra.
Depois disto o Senhor apareceu a Jacó e confirmou a sua promessa (Gen. 28:14) E a tua semente será como o pó da terra e estender-se-á ao oriente e ao ocidente e ao norte e ao sul, e em ti serão benditas todas as famílias da terra. Então assim conhecemos a história, em que Jacó desceu ao Egito com sua família, 70 almas, onde sua semente aumentou através de seus 12 filhos, e que após 450 anos, o povo saiu do Egito com a mão forte e poderosa do Deus de Abraão, Isaque e Jacó. Uma grande nação de quase dois milhões de pessoas.
Poderíamos ir muito mais além, relembrando a história da Congregação de Israel.
SIM, ISRAEL, A IGREJA DE DEUS, NO VELHO TESTAMENTO. Tomaríamos muito tempo em relembrar de como o Senhor conduziu o seu povo pelo deserto, como ensinou através dos 8profetas, como o julgou através dos juízes e dos reis de Israel. Em todo o tempo Deus cuidou de seu povo com amor, como uma virgem desposada. À prova disto, encontramos no livro dos Salmos. Sendo já uma profecia para os dias de hoje. O tempo passado ficou registrado para que hoje possamos ter ensinos e exemplos do cumprimento da vontade de Deus. Davi escreveu profeticamente como seria a posição de Cristo com a sua igreja. Uma relação de amor incomparável. Amor de Pai. (Salmo 45:10) Ouve Filha, e olha...
vs. 11, então o Rei se afeiçoará à tua formosura, pois ele é teu Senhor: Adora- o.
vs. 13, A filha do Rei é toda ilustre no seu palácio; as suas vestes são de ouro tecido.
Vs. 16, Em lugar de teus pais será a teus filhos que farás príncipes sobre toda a terra.
Estes versos demonstram que a Igreja de Cristo é um povo de toda a terra. Os filhos feitos príncipes sobre toda a terra.
(Ped. 2:9) Mas vós sois a geração eleita, o sacerdócio real, a nação santa, o povo adquirido...
Esta é a Igreja de Cristo, uma diferença da nação de Israel que era antes chamada de Filha de Sião.
A palavra Igreja aparece, portanto, somente no Novo Testamento.
(Mat. 16:18) Pois também eu te digo, tu és Pedro, sobre esta pedra edificarei a minha IGREJA.
(Atos 2:47) E todos os dias acrescentava o Senhor à IGREJA aqueles que haviam de salvar.
(Atos 20:28) Para apascentardes a IGREJA de Deus, que Ele resgatou com seu próprio sangue.
(Ef. 5:25, 27) Como também Cristo amou a IGREJA... Para apresentar a si mesmo IGREJA gloriosa, sem mácula, nem ruga, nem coisa semelhante, mas santa e irrepreensível.
(Heb. 12:23) À universal assembléia e IGREJA dos primogênitos,...


CULTOS
Portanto, não é agradável aos olhos do Senhor que os cultos sejam utilizados para apresentação de cantores profissionais. Toda a igreja deve juntamente louvar ao Senhor com cânticos, para não haver distinção nem parcialidade entre o corpo de Cristo. No culto deve aparecer somente a presença de Deus e de seu filho Jesus Cristo manifestados pelo poder do Espírito Santo. Haverá a liberdade do Espírito Santo a todos os fiéis que se fizerem presentes no culto, e que estiverem aptos em repartir com a igreja os seus dons.
Aquele que estiver na presidência do culto deve-se fazer com cuidado e comunhão, abrirá o culto EM NOME DO SENHOR JESUS.
Ao que pregar a Palavra deve se fizer guiado pelo Espírito Santo e Tiver conhecimento sobre as Escrituras Sagradas, para que não venha sofrer por si próprio detrimento diante da igreja, nem tão pouco falar o que não convém. Ao neófito, não convém que pregue ou dirija um culto, pois ainda é criança no caminho e entendimento, aprenda primeiramente com os mais velhos e deixe que o espírito Santo de Deus lhe conceda os dons, seja servido primeiro depois sirva com toda liberdade.
Seguiremos o simples andamento para o culto, iniciado com cânticos, e uma oração. Logo a liberdade da igreja manifestar seus agradecimentos à Deus, neste tempo também serão feitos comunicados e aplicação de ensinamentos e doutrina. Logo segue-se com cânticos de hinos então a leitura da Palavra de Deus, encerrando-se o culto com uma oração e hino final. As orações durante o culto serão de ampla liberdade dos membros congregados, sem a necessidade de quem preside indique quem fará a oração, pois cremos que o Espírito Santo tocará o coração do vaso que for usado pelo dom.


INSTITUIÇÃO E CELEBRAÇÃO DA SANTA CEIA

A Santa Ceia foi instituída pelo nosso Senhor Jesus Cristo. Tal como o Apóstolo Paulo ensinou a igreja de Corinto e mais tarde lhes escreveu uma carta detalhando a maneira de celebrar a Santa Ceia do Senhor.

I Cor. 11 vs. 23 ao 29
23- Porque eu recebi do Senhor, o que também vos ensinei.
Que o Senhor na noite em que foi traído, tomou o pão
24- E tendo dado graças, o partiu e disse:
Tomai, comei: isto é o meu corpo que é partido por vós.
Fazei isto em memória de mim.
25- Semelhantemente também, depois de cear, tomou
o cálice, dizendo: Este cálice é o Novo Testamento no meu Sangue
fazei isto, todas as vezes que beberdes, em memória de mim.
26- Porque todas as vezes que comerdes este pão e beberdes este cálice
anunciais a morte do Senhor, até que venha.
27- Portanto, qualquer que comer este pão, ou beber o cálice do Senhor
indignamente, será culpado do corpo e do sangue do Senhor.
28- Examine-se, pois o homem a si mesmo, e assim, coma deste pão
e beba deste cálice.
29- Porque o que come e bebe indignamente, come e bebe para
sua própria condenação, não discernindo o corpo do Senhor.

Notamos que Paulo ensinou aos coríntios, aquilo que recebeu do Senhor, e Paulo não tinha nenhuma intenção de ensinar algo de si mesmo. Na noite em que o Senhor foi traído, estava junto aos discípulos comemorando a Páscoa dos Judeus. Que na verdade foi a última Páscoa, pois dali em diante Cristo instituiria o Novo Testamento. Então deixou o Senhor instituída a Santa Ceia para que todos quantos crêem em Jesus Cristo, como seu salvador, coma do pão e beba do cálice para recordar a sua morte.
Como veremos a Santa Ceia não é apenas uma comemoração tal como a Páscoa. Ainda que se analisarmos o sentido espiritual de ambas, veremos que são de ritual parecido, porém com uma definição oposta, apesar da semelhança.

A Páscoa era celebrada para que o povo de Israel comemorasse e a sua saída do Egito, e lembrasse que Deus feriu os Egípcios com a morte dos primogênitos, poupando, porém todo o povo de Israel.
(Ex. 12:11) Esta é a Páscoa do Senhor.
E eu passarei pela terra do Egito esta noite,
e ferirei todo o primogênito na terra do Egito,
desde os homens até aos animais e sobre
todos os deuses do Egito farei juízo, Eu Sou o Senhor.
E aquele que vos será por sinal nas casas em que estiverdes:
Vendo Eu sangue, passarei por cima de vós, e não
Haverá entre vós praga de mortandade, quando
Eu ferir a terra do Egito.
Vs.14-E este dia vos será por memória. E celebrá-lo-eis
Por festa ao Senhor:
Vs. 17- Guardais pois a festa dos pães asmos
Porque naquele mesmo dia tirei vossos exércitos
Da terra do Egito. Pelo que guardareis este dia
Nas vossas gerações por estatuto perpétuo.
Ex. 12 vs. 26, 27- E acontecerá que, quando
Vossos filhos vos disserem: Que culto é este vosso?
Então direis: Este é o sacrifício da Páscoa ao Senhor,
Que passou as casas dos filhos de Israel no Egito,
Quando feriu aos egípcios, e livrou as nossas casas.
Esta festa dos pães asmos ou Páscoa ficou como estatuto perpétuo para o povo de Israel somente. Então o Senhor Jesus também celebrou a páscoa, naquela noite em que foi traído, cumprindo assim, a lei Mosaica.
Pois como Ele próprio disse:
Não cairá nenhum jota e nenhum til se omitirá da Lei
sem que tudo seja cumprido. (Mat. 5:18)
Isto nos mostra que tudo quanto foi escrito na Lei, nada caiu por terra. Tudo foi cumprido.
Tudo o que foi escrito a respeito da obra de salvação, da missão do Messias, deveria ser cumprido de que o Senhor haveria de ser preso, crucificado, morto e depois ressuscitaria. Até que tudo isto não fosse cumprido, nada se omitiria da Lei.
Tendo o Senhor cumprido toda a lei até na sua ressurreição, Ele se fez o cumpridor de toda a Lei.
Vejamos isto: (João 7:8)
Subi vós a esta festa: Eu não subo ainda a esta festa
Porque ainda o meu tempo não está cumprido.
Isto aconteceu quando os judeus subiam a Jerusalém para a festa dos Tabernáculos.
Jesus não queria estar em Jerusalém antes do seu tempo determinado. Vemos portanto que, quando Jesus subiu a Jerusalém, foi aclamado como um rei pelo povo, e ali cumpriu a sua missão, o seu tempo.
(João 19:30)
E quando Jesus tomou o vinagre disse:
Está consumado. E inclinando a cabeça
Entregou seu espírito.
Tudo quanto estava escrito do Filho de Deus cumpriu. Toda a Lei foi cumprida por ele, pois o homem não podia por si mesmo cumprir a Lei. Jesus então na ocasião de sua morte e ressurreição deixou-nos um Novo Testamento.

O PÃO

(Mat. 26: 26) E quando comiam, Jesus tomou o pão e,
abençoando-o , o partiu e deu aos discípulos, e disse:
Tomai, comei, isto é o meu corpo.
(Mar. 14: 22- Luc. 22: 19)
E tomando o Pão, e havendo dado graças, partiu-o
E deu-lho, dizendo: Isto é o meu corpo, que por vós
É dado. Fazei isto em memória de mim.
Cremos que o pão, abençoado pelo Senhor, significava o seu corpo. Só um corpo, o de Cristo é que pode dar vida ao homem. Vejamos o que Jesus disse:
João 6:32 Na verdade, na verdade vos digo
Moisés não vos deu o pão do céu: Mas meu Pai
Vos dá o verdadeiro pão do céu.
33- Porque o pão de Deus é aquele que desce
12do céu e dá vida ao mundo.
34- Disseram-lhe então. Dá-nos sempre desse pão
35- Jesus lhes disse: Eu sou o pão da vida: Aquele
que vem a mim nunca terá fome,...

vs. 48- Eu sou o pão da vida
vs. 50- Este é o pão da vida que desce do céu
para o que dele comer não morra.
Eu sou o pão vivo que desce do céu, se alguém
Comer deste pão viverá para sempre e o pão
Que eu der é a minha carne, que eu darei pela
Vida do mundo.

O CÁLICE DO VINHO

I Cor. 11:25
Semelhantemente também, depois de cear
Tomou o cálice dizendo.
Este cálice é o Novo Testamento no meu sangue.
Fazei isto todas as vezes que beberdes, em memória
de mim.
Mat. 26: 27, 28, 29
E tomando o cálice, e dando graças, deu - lho dizendo:
Bebei dele todos.
Porque isto é o meu sangue, o sangue do Novo Testamento
Que é derramado por muitos para remissão dos pecados.
E digo-vos que, desde agora, não beberei
Deste fruto da vide até àquele dia em que o beba
Novo convosco no Reino do meu Pai.

Entendemos que Jesus tomou o cálice que continha vinho.
Ele mesmo disse que era o cálice do Novo Testamento, e ordenou que todos bebessem dele.
Porque dele? Isto o Senhor estava dizendo para que bebessem do vinho, o fruto da vide. Isto nos é confirmado no verso 29.
Porque o Senhor escolheu justamente o vinho para simbolizar o seu sangue? Será que é por ser o vinho vermelho? Claro que não, pois existem vinhos brancos e rose. Todos feitos da vide. Pois bem, se analisarmos o processo que passa a vide para depois 13tornar-se em um bom vinho, compreenderemos então o significado deste simbolismo. A vide colhida é depositada no lagar onde vai ser amassada, para que verta então o seu suco. Ficando a mesma em estado de mosto deixa-se descansar para que seja fermentada, pois se não houver fermentação então continuará apenas como mosto, suco. Após a fermentação a mesma é peneirada e colocada em um barril, onde ficará o tempo que for necessário até ser utilizado. Então compreendemos que o Senhor Jesus, foi humilhado, surrado, ferido, crucificado e morto, depois sepultado onde ficou até sua ressurreição. O Senhor então após ressuscitar trouxe vida para todos quantos crêem em seu Nome.
Do mesmo modo o Senhor crucificado, deixou verter o seu sangue, depois retirado da cruz, o mesmo foi colocado para repousar numa sepultura, mas ao terceiro dia ressuscitou. Não será porventura a semelhança da vide transformada em vinho?
Este mesmo Senhor depois de ter ressuscitado apresentou-se aos seus discípulos, e ainda mais de 120 irmãos dando-lhes alegria, ficou com eles 40 dias, então subiu aos céus.
Concluímos então que o vinho é o símbolo do sangue de Cristo.
Devemos então na Santa Ceia apresentar o Pão e o Cálice do vinho
Como diz as Escritura:
Examine-se o homem a si mesmo, coma deste pão e beba deste cálice.


O BATISMO PELA FÉ EM JESUS

Devido à grande divergência existente entre as diversas denominações religiosas, que professam a fé em Jesus Cristo, o povo de Deus, deve seguir explicitamente o que nos ENSINAM as Escrituras Sagradas. Porém existe o problema da interpretação das Escrituras. Os estudiosos de Teologia aplicam os ensinos bíblicos de acordo o que estudam e interpretam para a mais fácil prática destes ensinos, deixando lacunas que são esquecidas, pois são muitas vezes difíceis de compreender. Claro que se for tudo levado pelo lado prático da Teologia. Muitos pontos de fé e doutrina são obrigatoriamente deixados de lado, e outros acrescentados, para que os fiéis de determinadas igrejas, possam ficar satisfeitos com a sua doutrina. Porém aqui o que é necessário enfatizar, é que a Palavra de Deus não é de particular interpretação, ou seja, não pode ser interpretada somente para o benefício de si próprio. Ora a Palavra de Deus é de livre interpretação, quando o Espírito Santo de Deus manifestado no homem, concede a interpretação pela fé. A fé é um dom de Deus, e é o firme fundamento das coisas que se esperam e a prova das coisas que se não vê (Hebreus cap. 11:1). Seria muito difícil de explicarmos o que é fé, pois é um sentimento pessoal, que o homem adquire tendo a sua consciência apta para declarar em si próprio que acredita em alguma coisa. A fé é o instrumento que leva o homem a buscar algo inacessível pelas forças humanas, é tal como que um sonho que alguém almeja para que se torne real. Quando cremos que Deus ressuscitou dos mortos ao seu filho Jesus, estamos então praticando a nossa fé, pois nós na idade contemporâneos estamos há dois mil anos próximos deste fato acontecido. Fato este que foi contemplado pelos apóstolos e muitos outros discípulos, e que só sabemos deste acontecimento através do relato das Escrituras Sagradas. Vejamos, analisando a disposição dos escritores dos quatro evangelhos, em relatar os acontecimentos desde o nascimento de Jesus, ainda que podemos perceber que ambos só conheceram-no quase 30 anos após o seu nascimento. Mas há uma pessoa importante nestes relatos e cremos que foi Maria, a mãe de Jesus. Que acompanhou atentamente desde a anunciação pelo anjo de que ela seria a mãe do Messias, o enviado de Deus para salvação do mundo. Aqueles que escreveram os evangelhos tiveram a fé suficiente para crerem no filho de Deus, naquilo que eles ouviram talvez da própria Maria, e tendo ele crido pela fé foram impelidos pelo Espírito Santo a escreverem todos os acontecimentos daqueles dias. A respeito da Fé, o apóstolo Paulo escreveu indicando alguns fatos históricos, como por exemplo, Noé, Abraão, José, Moisés e outros (Heb. cap. 11). Sem Fé é impossível agradar a Deus (Heb. 11:6).
Portanto, o que podemos deixar claro aqui, é que, mesmo com formação superior, estudos teológicos, isto não é suficiente para compreendermos a Palavra de Deus. Tem que haver Fé, e a guia do Espírito Santo de Deus. Tudo se resume num único nome Jesus, sim este nome que é sobre todos os nomes (Fil. 2:9).
15
É este NOME, que nos dá aqui o desejo ardente de buscarmos conhecimentos nas Escrituras Sagradas, para podermos alcançar a perfeição. Não a perfeição diante dos homens, ou do mundo em que vivemos, mas a perfeição diante de Deus. Perfeição esta que só podemos demonstrar dentro de nós mesmos.

O batismo é também o sacramento ainda muito diferenciado, entre as diversas igrejas existentes na terra. Isto devido à interpretação que cada líder fundador difundiu em suas comunidades cristãs. As igrejas discutem ainda e muitas vezes com muito entusiasmo, qual a maneira correta de realizar o batismo dos cristãos.
Pois bem, vamos expor aquilo que for necessário para que o batismo seja realizado de acordo com a fé cristã e dos ensinos bíblicos. O batismo na verdade é um ato simbólico. Tal como relatado no velho testamento, as cerimônias realizadas pelos sacerdotes judeus, era um simbolismo. Como exemplo os sacrifícios feitos para expiação de pecados. Uma cerimônia, em que um cordeiro era sacrificado, ou seja, era morto em lugar do pecador. Como está escrito: A ALMA QUE PECAR, ESTA MORRERÁ. (Ez. 18:4, 20). Mas como Deus não pretendeu matar todo o homem, então instituiu o sacrifício para expiação do pecado. (Lev. 9) Como Paulo escreveu; “E quase todas as coisas, segundo a lei, se purificam com sangue; e sem derramamento de sangue não há remissão”. (Heb. 9:22), (Ex. 24:4).
Não é necessário entrarmos em maiores detalhes a respeito do sacrifício. Agora já sabemos que havendo pecado, o homem só poderá receber expiação do seu pecado através de um sacrifício, conforme já vimos anteriormente. Ora isto foi cumprido no velho testamento, porém, o homem uma vez fazendo o sacrifício por expiação de pecados, logo voltava a pecar, e teria que repetir o ritual do sacrifício novamente. Sempre teria que sacrificar um animal. Os sacrifícios eram imperfeitos, pois tinham que ser repetidos. Paulo também escreveu. “Porque, se o sangue dos touros e bodes, e a cinza duma novilha espargida sobre os imundos os santifica quanto à purificação da carne, Quanto mais o sangue de Cristo que pelo Espírito eterno se ofereceu a si mesmo imaculado a Deus, purificará as vossas consciências das 16obras mortas”. Então era necessário de um sacrifício melhor para que o homem não mais precisasse sacrificar animais para a expiação de seus pecados.
Por isso Cristo, interviu como cordeiro imaculado, para Ele mesmo ser feito sacrifício. (Heb. 9: 15) E por isso é Mediador dum novo testamento para que, intervindo a morte para remissão das transgressões que havia debaixo do primeiro testamento, os chamados recebam a promessa da herança eterna. Porque onde há testamento, necessário é que intervenha a morte do testador.
Com a morte de Cristo, o testamento passou a ter seu efeito. Ele mesmo se ofereceu para aniquilar o pecado. O seu sangue derramado para o perdão dos pecados de todo o pecador. (Ped. 3:18) Pelo que Cristo padeceu uma vez pelos pecados, o Justo pelos injustos, para levar-nos a Deus, mortificados na verdade na carne, mas vivificados pelo Espírito. Portanto o Batismo é um cerimonial que o cristão deve aceitar como figura de um sacrifício de expiação.
O Batismo na semelhança da morte de Cristo (Luc. 12:5) Importa que seja batizado por um certo batismo; e como me angustio até que venha a cumprir-se.
Vejamos mais (Rom. 6: 3,4) Ou não sabeis que todos quantos fomos batizados em Jesus Cristo fomos batizados na sua morte? De sorte que fomos sepultados com Ele pelo batismo na morte, para que, como Cristo ressuscitou dos mortos, pela Glória do Pai, assim andemos em novidade de vida.
O Batismo na semelhança da ressurreição de Cristo.
Se fomos batizados na semelhança de sua morte, fomos também na semelhança de sua ressurreição. (Col. 2:12) Sepultados com Ele no Batismo, Nele também ressuscitastes pela fé e no poder de Deus, que o ressuscitou dos mortos.
Mortos com Cristo para o pecado e o mundo, somos com Ele ressuscitados para uma nova vida. (Rom. 8:11) E se o Espírito daquele que dos mortos ressuscitou a Jesus habita em vós, aquele que dos mortos ressuscitou a Cristo também vivificará os vossos corpos mortais, pelo seu Espírito que em vós habita.
Claro está aqui que o Espírito de Deus é o que faz a obra da ressurreição. (II Cor. 4:14) Sabendo que, o, que ressuscitou o Senhor Jesus, nos ressuscitará também por Jesus. Então o batismo é operado pelo Espírito Santo de Deus, para que todo 17homem seja vivificado juntamente com Cristo, pois estando o homem morto em suas ofensas é vivificado pela ressurreição de Cristo. Portanto o centro deste cerimonial é a pessoa de Jesus Cristo, que sendo morto, foi pelo Espírito de Deus ressuscitado pelo poder de Deus. Nisto trouxe a ressurreição da alma, para que neste Nome sejam todos batizados para o perdão dos pecados. O próprio Jesus falou do batismo como símbolo de sua morte. (Mar. 10:28) Podeis vós beber o cálice que eu bebo, e ser batizado com o batismo com que sou batizado? Então o batismo é uma figura da morte e ressurreição de Jesus. (Ped. 3:21) Que também, como uma verdadeira figura, agora vos salva, BATISMO, não do despojamento da imundície da carne, mas da indagação de uma boa consciência para com Deus, Pela ressurreição de Jesus Cristo. Somos salvos a partir do batismo. Portanto que todo o homem que crer em Jesus e fizer confissão de seus pecados diante de Deus, deve passar pelo cerimonial do Batismo, pois ninguém é salvo pelas obras de justiças, mas pela renovação de sua alma. (Tito 3:5) Não pelas obras de Justiça que houvéssemos feitos, mas segundo a sua misericórdia, nos salvou pela lavagem da regeneração e da renovação do Espírito Santo.
O Batismo na semelhança da morte e ressurreição de Jesus Cristo nos traz a morte do velho homem, morremos para o mundo, o pecado já não opera em nós a morte, pois ressuscitamos com Cristo. Pois Cristo padeceu uma vez pelos nossos pecados, sendo Ele justo, morreu pelos injustos, nós, para nos levar a Deus, fomos, portanto mortificados na carne, mas vivificados pelo Espírito. (Ped. 3:18).

Entendemos assim, que sem o Batismo não existe renovação do espírito, nem expiação de pecado, nem arrependimento. Então devemos primeiramente crer em Jesus Cristo, como o único salvador, e confirmar o esse nosso arrependimento batizando-nos, para que assim verdadeiramente sejamos despojados de nossa má consciência e sermos regenerados pelo Espírito da verdade. (Atos 19:4, 5) Certamente João batizou com o batismo do arrependimento, dizendo ao povo que cresse no que após ele havia de vir, isto é, em Jesus Cristo. E os que ouviram foram batizados em nome do Senhor Jesus.
Partindo destes dois versículos bíblicos podemos ter certeza de como realizar o cerimonial do batismo. Vejamos o que o Senhor Jesus falou aos discípulos. (Mat. 18:19) Portanto ide, ensinai todas as nações, batizando-as EM NOME DO PAI, E DO FILHO E DO ESPÍRITO SANTO. Ensinando-as a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado. Ainda temos outro versículo que nos demonstra claramente que deve ser seguido este ensino de Jesus. (At. 2:38) Disse-lhes Pedro: Arrependei-vos e cada um de vós seja Batizado em nome de Jesus Cristo, para perdão dos pecados. Aqui Pedro usando uma linguagem simples de fácil interpretação responde ao povo que lhe perguntara o que deveriam fazer, pois após ouvirem o seu discurso, creram em Jesus, e como no ver. 41-De sorte que foram batizados os que de bom grado receberam a sua palavra; e naquele dia agregaram-se quase três mil almas.
O ato do Batismo então deve ser feito EM NOME DO SENHOR JESUS, EM NOME DO PAI E DO FILHO E DO ESPÍRITO SANTO. AMÉM

Explicamos, portanto o seguinte: O Batismo é feito Em Nome do Senhor Jesus, pois como está escrito (At. 4:12) E em nenhum outro nome há salvação, porque também debaixo do céu nenhum outro nome há dado entre os homens, pelo qual devamos ser salvos. - (Col. 3:17) E quando fizermos por palavras ou por obras, fazei tudo em nome do Senhor Jesus, dando por Ele graças a Deus Pai.
Em nome do Pai- porque Deus é a cabeça de Cristo (I Cor. 11:3). Ele nos amou(João 3:16)
Em nome do Filho- pois foi quem recebeu de Deus todo o poder no céu e na terra (Mat. 28:18). Ele quem dá resgate pela nossas almas.
E do Espírito Santo- pois somos justificados pelo Espírito Santo de Deus (Ped. 3:18). Regenerados pela lavagem e da renovação do espírito Santo (Tit 3:5)
Vejamos I João 5:5- Este é aquele que veio por água e sangue, isto é, Jesus Cristo, não só por água, mas por água e sangue. E o Espírito é o que testifica, porque o Espírito é a verdade.
Porque três são os que testificam no céu: o pai, a palavra e o Espírito Santo E ESTES TRÊS SÃO UM. E três são os que testificam na terra: O Espírito, a água e o sangue, E ESTES TRÊS CONCORDAM NUM.
Agora veremos a forma de como é feito o Batismo. Se o Batismo é semelhança da morte e ressurreição de Cristo, convém entendermos que sendo mortos devemos ser sepultados. Como? Batizados nas águas, assim como Jesus foi batizado no rio Jordão por João Batista. No Evangelho segundo S. Mateus cap. 3:16, Jesus saiu da água após ter sido batizado por João. Se Ele saiu, então é porque estava dentro da água. No cerimonial do Batismo a água não é usada para lavar a alma do pecador. Mas simboliza a sepultura. Sendo então o homem imergido na água, chamamos de Batismo por imersão. Se por exemplo o homem for batizado apenas jogando-lhe água sobre a cabeça, já não será imersão, mas sim aspersão. Lembramos que a aspersão era feita durante o sacrifício de um cordeiro. Em que, tomava-se o sangue do cordeiro e aspergia sobre o pecador. Lembramos então que o batismo é na semelhança da morte e ressurreição de Cristo. E como Cristo ressurgiu triunfante de sua sepultura, assim o homem é imerso na água, ao levantar-se, simbolicamente ressurgiu para uma nova vida.
Assim sendo concluímos que o ato batismal é feito na água por imersão, em nome do Senhor Jesus e em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo.
O Batismo é o novo nascimento de que Jesus falou a Nicodemos (João 3:5) Na verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer da água e do Espírito, não pode ver o reino de Deus.
Todo homem que crer em Jesus Cristo como Salvador deve, portanto passar pelo processo de uma conversão. Logo então ser batizado. Claro que esta conversão só é possível para aquele que crer e arrepender-se de seus pecados, entregando o seu coração a Jesus. Arrependendo-se de seus pecados o homem já demonstrou diante de Deus a sua necessidade de transformação e renovação, e isto só é possível através do sangue de Cristo e do poder do Espírito Santo.

Ninguém precisa passar por um curso ou preparação de ensinos bíblicos para só então depois estar apto para o Batismo. Pois bem, citaremos exemplos de que basta crer em Jesus Cristo e arrepender-se de seus pecados.
Primeiro, tomamos o exemplo do batismo de João: (Mat. 3:5, 6...) E ia Ter com ele Jerusalém, e roda a Judéia, e toda a província 20adjacente ao Jordão; E eram batizados no rio Jordão, confessando os seus pecados. E, vendo ele muitos dos fariseus e dos saduceus, que vinham ao seu batismo, dizia-lhes: Raças de víboras, quem vos ensinou a fugir da ira futura? Produzi pois frutos dignos de arrependimento;...
Será que estes que João batizou no Jordão, passaram primeiro por uma preparação pedagógica? Não de maneira nenhuma, pois todos arrependeram-se de seus pecados e foram batizados.
Vejamos também o Eunuco mordomo mor da rainha Candace, rainha dos etíopes. (atos 8:26...) Vejamos o diálogo que teve Filipe e o eunuco. __Entendes tu o que lês? __e ele disse-lhe __Como poderei entender se alguém me não ensinar? E rogou a Filipe que subisse e com ele se assentasse. O diálogo segue no vs. 34. E, respondendo o eunuco à Filipe, disse. Rogo-te, de quem diz isto o profeta? De si mesmo ou de algum outro?
Então Filipe, abrindo a sua boca, e começando nesta escritura anunciou a Jesus. (observamos bem, Filipe não o instruiu com ensinamentos sobre o batismo, mas lhe anunciou a Jesus). Logo o eunuco lhe disse __eis aqui água; que impede que eu seja batizado? E disse Filipe: É lícito, se crês de todo o coração.
__E, respondendo ele, disse; Creio que Jesus é o Filho de Deus.
E mandou parar o carro, e desceram ambos à água, tanto Filipe como o eunuco, e o batizou.
O que nos mostra então esta passagem? Eunuco nem mesmo sabia sobre Jesus, porém depois que recebeu o anúncio de que Jesus é o salvador do mundo, creu e logo recebeu o batismo. E ainda Filipe foi arrebatado pelo espírito do Senhor, deixando então o eunuco entregue à mercê do espírito de Deus. Então concluímos aqui que aquele que crer em Jesus de todo o seu coração e confessar á Deus os seus pecados, deve batizar imediatamente, sem necessidade de uma preparação pedagógica. O espírito de deus se encarrega de preparar o coração e a mente de cada convertido. Pois cremos verdadeiramente que todo aquele que crer em Jesus e for batizado recebe também o batismo do Espírito Santo, e este Espírito se encarrega de lhe fazer conhecer toda a verdade da palavra de Deus. Ora se nós somos salvos pela fé em Jesus, claro está que não são as obras, portanto não será fazendo cursos ou preparação para batismo que seremos salvos.
Vejamos outro exemplo. A casa de Cornélio o centurião. Quando Pedro enviado pelo Senhor, anunciou a Jesus a todos que estavam reunidos na casa de Cornélio. Enquanto Pedro lhes anunciava a salvação em Jesus Cristo, lhes desceu o Espírito Santo e falavam em línguas e glorificavam à Deus. E mandou Pedro que fossem batizados em nome do Senhor. O que dizer então quanto à Saulo? Foi uma conversão maravilhosa, uma obra de milagre. Ainda que Ananias lhe foi enviado pelo Senhor. (Atos 9: 17,18) __E Ananias foi, e entrou na casa, e, impondo-lhe as mãos, disse: Irmão Saulo, o senhor Jesus, que te apareceu no caminho por onde vinhas me enviou, para que tornes a ver e sejas cheio do espírito Santo. E logo lhe caíram dos olhos como umas escamas, e recuperou a vista; e, levantando-se, foi batizado.
Provavelmente escreveria muitas linhas sobre este assunto, recordando as pregações de Paulo aos gentios. Só com estes fatos, pode-se Ter a clara certeza de que se alguém que houve a pregação da Palavra e crê em Jesus para a salvação de sua alma, este pode ser batizado, pois é o Espírito santo quem faz a obra no coração.
Finalizamos aqui este relato com a transcrição do que Paulo escreveu aos Efésios.
Efésios cap. 2 vs.
5- Estando nós ainda mortos em nossas ofensas nos vivificou juntamente com Cristo (pela graça sois salvos).
8- Porque pela graça sois salvos, por meio da fé, e isto não vem de vós; é Dom de Deus.



CASA DE ORAÇÃO

Muitas vezes nos perguntamos; è necessário construirmos grandes templos, majestosos, e de arquitetura suntuosa, de maneira que venha distinguir entre muitas outras construções a diferença de uma igreja cristã? È realmente necessário oprimir o povo cristão para que todos contribuam forçosamente, de seu suado salário, muitas vezes tirando o sustento de uma criança para então satisfazer a ambição de certos líderes religiosos?
Vamos analisar aqui este fato. O que pretendo expor neste relato é necessário, para que todo aquele que se diz cristão não seja subjugado pelos poderes hierárquicos de determinadas denominações religiosas.
Pois bem. Uma comunidade religiosa tem a necessidade de obter um local adequado para reunir-se e prestar o seu louvor a Deus. Segundo o costume de sua religião. Mas nós aqui estaremos falando sobre o povo de Deus, sim este povo que se dedica de corpo e alma em fazer somente à vontade de Deus conforme os seus mandamentos e sua doutrina de acordo com as Escrituras Sagradas. O povo hebreu quando deixou o Egito saiu com um único destino. A terra prometida, e durante quarenta anos caminhou pelo deserto. Moisés recebeu de Deus a ordem de construir um santuário onde somente o sacerdote poderia entrar para oferecer a Deus o sacrifício e as ofertas pacíficas. O povo congregava-se em frente do santuário. Foi só depois de centenas de anos que Davi, rei de Israel decidiu em construir uma casa a Deus. Um templo para que lá fosse feito o santuário onde o sacerdote administraria as cerimônias. Mas havia um detalhe neste templo em que a mulher não poderia entrar no templo e nem mesmo o estrangeiro. E para cada classe de sacerdote havia um compartimento em que um poderia entrar outro já não poderia. Mas aquele era o lugar em que Deus consagrara para que lhe fossem feitos os cerimoniais de sacrifícios e ofertas. Sabemos que daquele templo não sobrou nada além de ruínas. Como está escrito que Deus não habita em casas feitas por mão de homens. Deus habita no coração daquele que crê e obedece aos seus mandamentos. Como o próprio Deus disse: QUE CASA ME EDIFICAREIS? Os cristãos primitivos, não possuíam templos ou outra casa qualquer onde podiam chamar de igreja ou casa de oração. Reuniam-se em casas particulares, e durante as perseguições empreendidas pelos romanos escondiam-se em cavernas subterrâneas chamadas catacumbas. Estas eram cemitérios onde os mortos judeus eram enterrados. Observamos uma coisa, de que os judeus não aceitavam a idéia de contaminar-se. Assim evitavam passar ou entrar nos túmulos, pois acreditavam que aquele que tocasse em alguma coisa morta estaria imundo por certo tempo. Dá-se a entender que os cristãos já desfeitos destas crendices, oportunamente encontraram uma saída nas perseguições 23empreendidas, pelos romanos. Assim se refugiavam em cavernas subterrâneas escavadas para serem utilizadas como cemitério. Ali talvez oravam, e suplicavam a Deus, pedindo o seu socorro. Na verdade os primitivos cristãos não concebiam a idéia de que deus só estaria presente em suas vidas se eles se reunissem num lugar adequado para um culto. Mas isto demonstra que os cristãos primitivos criam que Deus habitava em seus corações, independentemente do lugar em que estivessem reunidos. Deus sempre estava presente em suas vidas, nas cavernas, nas casas, até mesmo numa arena ou circo romano, quando estes mesmos cristãos eram entregues aos leões como parte de um espetáculo tirano e selvagem que tinha como objetivo não de apenas entreter o povo romano, mas também como uma medida de tentar destruir a fé cristã. Antes do século III, nada se pode dizer que os cristãos construíram grandes obras de arquitetura, ou templos religiosos. Só depois de Constantino ter-se arbitrariamente denominado Papa, é que se começou a aparecer as construções de grandes templos. Templos só existiam para os deuses pagãos. Nada tem de concreto que os primitivos cristãos dedicavam suas vidas em construírem igrejas. Estavam espalhados pelo mundo todo, reuniam-se em casas próprias de algum irmão para celebrarem a santa ceia, e juntos orarem a Deus. Proclamavam a palavra de Deus de uma maneira que a Igreja de Cristo foi crescendo com o passar do tempo.
Já na idade média justamente nos tempos das cruzadas, ou do tempo chamado da Inquisição. Havia muitas e grandes catedrais, erguidas com ostentação e luxo. Porém convêm observarmos que eram igrejas que se denominaram cristãs, mas não professavam a palavra da verdade. Esta mesma igreja na época é responsável pela morte de milhares de cristãos, que por não concordarem com a maneira de religiosidade falsa foram perseguidos e sumariamente assassinados. Não precisamos detalhar fatos ou casos sobre isto, pois os livros nos contam estas histórias, sim livros escritos pelos próprios falsos cristãos.

Deduz-se que um número razoável de pessoas que se congregam para prestar um culto a Deus em algum lugar, necessitam de estarem protegidos das intempéries do tempo. Então é necessário que sejam construídos locais adequados para comportarem sempre um número crescente de fiéis. Mas este lugar não precisa necessariamente ser de luxo. Deve ser simples, confortável, seguro e amplo. Pois se construirmos um templo com grande ostentação de riqueza este não será apenas um templo para abrigar os fiéis, mas para demonstrar a riqueza que possuem tal congregação. Devemos sim acompanhar o desenvolvimento e o crescimento da obra de Deus, mas com moderação e simplicidade. Pois a riqueza de uma igreja não está na construção de um templo, mas está no coração de todo fiel. Lembramos qual foi o diálogo entre Jesus e seus discípulos quando estes maravilhados mostravam o templo que fora erguido por Herodes. Eles admiravam-se pelas brandes pedras e o acabamento que segundo as pesquisas arqueológicas confirmam que o templo era revestido de mármore. Então o Mestre lhes disse. Por que vos maravilhais? Sabeis, pois que disto não ficará pedra sobre pedra que não seja derribada. Vejamos que o templo de Jerusalém haviam compartimentos separados, que alguns podiam entrar e outros não. No Santo dos Santos somente o Sumo sacerdote podia entrar uma única vês ao ano. Havia também o pátio em que somente os homens podiam entrar e as mulheres ficavam do lado de fora, também não podiam entrar os estrangeiros, nem mesmo os deficientes. Hoje, porém nas igrejas ainda ocorrem fatos semelhantes. Por exemplo. Nos primeiros bancos somente podem assentarem-se os ministros e ainda em algumas casas de oração o rico tem privilégio, o pobre só tem a obrigação de pagar o seu dízimo. sim digo pagar, pois o dízimo que hoje os fiéis entregam nas igrejas é parte de uma obrigação que todos tem para com o ministério. Ninguém faz isso de livre e espontânea vontade. Sentem-se oprimidos por um jugo que o próprio filho de Deus aboliu. Não quero abordar este assunto agora. Mas como vemos as casas de orações só nos são úteis para nos protegerem e nos reunirmos comodamente para cultuarmos ao Senhor nosso Deus. Tanto a casa de oração seus móveis e patrimônio enfim são coisas que estão guardadas para o fogo, e toda a obra secular será desfeita. Portanto não devemos sacrificar o povo a fim de mostrarmos ostentações de posses e patrimônio.



INSTITUIÇÃO, ORDENAÇÃO E CONSAGRAÇÃO DO MINISTÉRIO

Encontramos nas Escrituras Sagradas, nomes ou adjetivos para aqueles que foram escolhidos e designados para cuidarem, zelarem, apascentarem a Igreja de Deus.
O mais comum nos dias de hoje, entre grande número de denominações evangélicas é o cargo ou título de Pastor.
Nos tempos de Martinho Lutero, Calvino, Wesley, Tc... Aqueles que eram designados para o ofício ministerial eram chamados de Reverendos. Aos poucos foi ficando em desuso. Vindo ao decorrer do tempo o uso do título de Pastor.
Definindo, a palavra pastor: Sinônimo de guardador de gado, e aquele que conduz o rebanho de ovelhas para o pasto, e, ou cuida do rebanho enquanto pastam. No modo figurativo significa sacerdote, sobretudo protestante.
O termo apascentar é: Levar ao pasto ou pastagem; guardar durante o pasto.
Então pastor é o encarregado de conduzir um rebanho para o pasto e guardá-lo durante todo o tempo. No Velho Testamento encontramos que Abel foi pastor de ovelhas, Davi também antes de ser rei de Israel era pastor de ovelhas, Moisés foi também pastor de ovelhas.
Israel era uma nação que tinha a característica da criação de ovelhas. As ovelhas eram usadas para ofertas de sacrifícios, e também usadas como alimento somente em ocasiões especiais. Para os Israelitas, o importante das ovelhas, era o uso do leite e depois a lã. Esta definição já nos serve para sabermos qual é o trabalho de um pastor.
Vamos agora tratar do termo Pastor, no serviço espiritual.
Pois bem, a igreja de Deus é considerada o seu rebanho de ovelhas, assim como Israel era considerado o rebanho do Senhor (Sal. 23:1) Davi declara: O Senhor é o meu Pastor.
(Jer. 23:3) Eu mesmo recolherei o resto das minhas ovelhas de todas as terras...
(EZ. 35:15) Eu apresentarei as minhas ovelhas,... Existem muitos outros trechos bíblicos que declaram o povo de Deus como rebanho de ovelhas.(Ez. 34:31, Zac. 11:4,; 7:13,17)
O Senhor entregou o seu povo nas mãos de pastores, para que os conduzisse pelos caminhos da Justiça, da retidão, da obediência. Estes pastores por assim dizer, foram; os juízes, os profetas, sacerdotes e reis. Alguns foram extremamente zelosos em seu trabalho, pois procuraram com o maior cuidado encaminhar o rebanho do Senhor nos caminhos retos do Senhor. Outros, porém, foram infiéis ao Senhor, buscaram os seus próprios interesses, inclusive sacrificando o povo, contaminando-o com os cultos a falsos deuses, introduzindo heresias, o que isto levou que Deus entregasse o povo de Israel nas mãos de seus inimigos. Vamos lembrar de Moisés, podemos dizer que este homem foi um grande pastor, que conduziu um grande rebanho no deserto, sempre procurando o bem do povo desde a sua saída do Egito, intercedeu muitas vezes diante de Deus em favor do povo, logo foi substituído por Josué, o qual entrou com o povo na terra prometida, depois vieram os juízes, como Jefté e Gideão, homens que lideraram o povo de Israel, em seguida vieram os profetas, Samuel, Elias, Elizeu, depois os reis como Davi, Salomão, Asa, Ezequias. Homens que trabalharam com valor, coragem e temor de Deus para conduzir o povo nos caminhos retos do Senhor.
Por outro lado existiram pastores que não foram fiéis ao Senhor e não tinham amor pelo rebanho, foram corruptos, amantes de si mesmos. Balaão amou mais os presentes e riquezas e com isto desobedeceu ao Senhor, Acabe foi o pior rei que governo Israel.
Definimos então que um pastor é um homem designado por Deus, para exercer o ofício ministerial da igreja. Um homem que cuida o lado espiritual da igreja, que apascenta o rebanho do Senhor com zelo, amor, temor, como quem deverá dar conta a Deus por cada alma. Creio que um pastor não deve ser considerado um lugar de hierarquia na igreja, pois são também ovelhas do Senhor, É na verdade um líder, que foi colocado para ministrar o serviço espiritual da Palavra de Deus nas igrejas. Podemos dizer assim que não é um cargo oficial, mas a função que determinado homem escolhido por Deus exerce ao ministrar a Palavra de Deus ao povo. Homem que tem a responsabilidade diante de Deus de ensinar, admoestar ao seu povo.

O povo de Deus é um grande rebanho, e que precisa de um pastor.
(Isaías 40:11) Como pastor apascentará o seu rebanho; entre seus braços recolherá os cordeirinhos, e os levará no seu regaço.
(Eze. 34:23) E levantarei sobre elas um só pastor.
(João 10:11) Eu sou o bom Pastor; o bom pastor dá a sua vida pela suas ovelhas.
(João 10:14) Eu sou o bom Pastor, e conheço as minhas ovelhas, e das minhas sou conhecido.
(Ped. 5:4) E quando aparecer o Sumo Pastor, alcançareis a incorruptível coroa de glória.
Nestes trechos, podemos ver claramente que o Pastor do povo de Deus é o seu Filho Jesus.
Cristo é o Sumo Pastor da Igreja de Deus.
Entre determinadas igrejas existem discussões sobre como deve ser chamado alguém que tem um ministério na igreja. Tal como os apóstolos chamavam entre si de irmãos todos devem também ser tratados da mesma forma. Não encontramos nas Escrituras nada que nos dê referência de que os apóstolos se chamavam entre si de pastores ou de apóstolos. Apóstolo não era um título, mas a importância do serviço que exerciam na obra da evangelização. Nas muitas cartas que Paulo escreveu, nenhuma vez ele se referiu a alguém o denominando por algum título. Sempre os chamou de irmão. Todos nós, independentemente da função que exercemos na igreja, somos unicamente ovelhas. Se alguém se considera um Pastor, este deve saber que tem que dar a sua vida pelas ovelhas. Hoje líderes de igrejas ostentam o título de Pastor, ou Bispo, ou Presbítero.
E têm isto como uma posição privilegiada diante da igreja.
Vejamos o que Paulo escreveu em Efésios 4:11).
E ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e outros para pastores e doutores. Querendo o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para a edificação do corpo de Cristo.
Alguém poderá por acaso demonstrar pelas Escrituras de que os apóstolos se intitulavam apóstolos? Ora, ora. Ser chamado de Pastor, ou Presbítero é tal como ser chamado de Rabi, ou mestre. Este costume era típico dos escribas e fariseus. Que gostavam de serem honrados por títulos. Vejamos (Mateus 23:8) Vós, porém 28não queirais ser chamados Rabi, porque um só é o vosso Mestre, a saber, o Cristo, e todos vós sois irmãos. (Mateus 23:10) Nem vos chameis mestres, porque um só é vosso mestre, que é o Cristo.
Podemos achar no Novo Testamento várias palavras usadas pelos escritores, para designar o ofício ministerial de alguns homens dedicados na obra de Deus. Como exemplo nós temos:
Ancião, presbítero, diácono, bispo, e cooperador.
Segundo o dicionário bíblico, ancião era um chefe de famílias e de tribos entre os hebreus primitivos e outros povos remotos (Gen 50:7). Administravam a justiça e, em tempos de guerra, serviam de capitães em seus exércitos. (Ex. 3:16; 19:7; 24:1 Num. 22:7).Mais tarde os anciães de cidades substituíram os de tribos e de famílias, retendo as funções judiciais destes. (Deut. 19:12; 21:2; 22:15; 22:18). Quando a sinagoga se tornou instituição bem estabelecida entre os judeus, os anciãos, autoridades civis de um lugar, exerceram suas funções na própria sinagoga local.
Os anciãos, presbíteros ou bispos das igrejas primitivas eram moderadores ou pastores, escolhidos segundo o costume da sinagoga. Acredita-se que, desde o princípio fossem eleitos pelo povo e, depois de aprovados pelos apóstolos, eram empossados com oração e imposição das mãos. Como pastores, seu trabalho consistia em: exercer uma vigilância espiritual sobre o povo, visitar os doentes, cuidar dos pobres e dos estrangeiros; manter a disciplina nas assembléias religiosas; ensinar e administrar os negócios da congregação em cooperação com os diáconos.
(Atos 20:28). Olhai, pois, por vós, e por todo o rebanho sobre que o Espírito Santo vos constituiu bispos, para apascentardes a igreja de Deus, que ele resgatou com o seu sangue.
(I Tess. 5:12; I Tim. 3:2; 5:17, Tit. 1:7,9; Tia. 5:14; I Ped. 5:1,3).
No Novo Testamento estas três palavras são usadas indistintamente para a função de pastores. Ancião: hebraico; presbítero: grego; bispo (superintendente): latim.
Isto se explica pelo fato, de que, havia cristãos entre os judeus, gregos e romanos. Assim aconteceu até o ano 150 d.C. quando pela primeira vez os presbíteros ficaram subordinados aos bispos.
Estas três palavras são na verdade sinônimo uma da outra, apenas escritas em língua diferente.
Vejamos algumas referências:
Atos 20:17- Paulo manda chamar os anciães da igreja para virem à Mileto, e lhes dá instruções após um discurso.
Atos 14:3- Paulo e Barnabé, após o incidente de Listra anunciam o evangelho em Derbe, retornando para Listra e Antioquia. Atos 14:23- E havendo-lhes, por comum consentimento, eleito anciãos em cada igreja, orando com jejuns os encomendaram ao Senhor em quem haviam crido.
DIÁCONOS: palavra grega que significa servo. No Novo Testamento é o nome de uma categoria de oficiais duma congregação. Pela primeira vez são mencionados em Filipo, cerca de 63 d.C. (Fil. 1:1). Em I Tim. 3:8-13; Paulo identifica os requisitos dum diácono. Aparentemente o seu serviço principal era de visitar e socorrer os pobres. Nota-se que o seu trabalho segue logo após o do apostolado, e como pregadores e evangelistas. Ao menos Estevão e Filipe eram especialmente ativos. ( Atos 7:2 e 21:8). A igreja primitiva reconheceu Atos 6:1-6 como base da instituição dos diáconos, e, em muitas igrejas foram escolhidos sete homens que cuidariam dos doentes e dos pobres.
Vejamos qual é o trabalho do diácono. Conforme Atos 6:2- os diáconos foram instituídos especificamente para servirem ás mesas. Atender as viúvas e os pobres.
Aqui está a qualidade de um homem para exercer este importante negócio (Atos 6:3) Escolhei, pois, irmãos, dentre vós, sete varões de boa reputação, cheios do Espírito Santo e de sabedoria, aos quais constituamos sobre este importante negócio.
Tim. 3: 8-13; Da mesma sorte os diáconos sejam honestos, não de língua dobre, não dados a muito vinho, não cobiçosos de torpe ganância; guardando o mistério da fé em uma pura consciência. E também estes sejam primeiro provados, depois sirvam se forem irrepreensíveis.
Os diáconos sejam maridos de uma mulher, e governem bem a seus filhos e suas próprias casas. Porque os que servirem bem como diáconos, adquirirão para si uma boa posição e muita confiança na fé que há em Cristo Jesus.
COOPERADOR: Nesta palavra, podemos assim dizer que tem o significado de um auxiliar que coopera com outro em alguma função ou trabalho. Portanto, não é um título, mas a posição funcional de que alguém recebe em um determinado serviço.
I Cor. 3:8, 9- O que planta e o que rega são um; mas cada um receberá o seu galardão segundo o seu trabalho. Porque nós somos cooperadores de Deus.
Outras referências- Fil. 4:3; Col. 4:11; I Tess. 3:3; File. Vs. 24; III João 3:8.
Então concluímos que cooperadores são qualquer um dos nossos irmãos que de uma forma ou de outra cooperam para o bom andamento da Obra de Deus. Sejam evangelizando, ou visitando os enfermos e aos pobres, auxiliando nos serviços de culto, como ex.: músicos, porteiros, administradores e outros. Portanto não é considerado um título.
BISPO: já vimos anteriormente que é uma palavra do latim e, que tem o significado de presbítero ou ancião (superintendente).
Atos 20:28; Tim 3:2 Tit. 1:7
Não há muito, o que falarmos sobre bispo, pois é o mesmo que já anteriormente vimos em ancião.
Observando todas as referências aqui apresentadas, concluímos que:
O ministro da Obra de Deus pode ser considerado um pastor, um bispo, um presbítero ou um ancião. Porém, não pode utilizar-se de um título para ser destacado como um superior aos demais fiéis. Sendo um trabalhador na Obra de Deus não tem privilégios diante de Deus, pelo contrário; todos somos iguais perante Deus, e todos teremos que dar conta de nossa própria alma diante do Senhor. Todos fomos chamados para a salvação.
Aquele que for considerado apto para ensinar, admoestar e apascentar o rebanho do Senhor este estará cumprindo na verdade um ministério dado por Deus. Sabendo que não será a sua posição diante da igreja que o fará melhor ou mais consagrado que os demais. Sua responsabilidade será maior, pois terá que cuidar de apascentar a igreja com amor, benevolência, equidade, justiça, dedicação, santidade, consagração, prudência, paciência, não como se sobre a igreja tenham alguma autoridade. Mas como que terá de dar conta a Deus pelo seu trabalho. Só então ao final receberá a recompensa da qual Paulo falou.
Para que uma igreja seja relativamente organizada, é necessário que alguns homens sejam colocados como líderes. Pois toda sociedade devidamente organizada possui uma estrutura hierárquica. Se não houver líder, ninguém consegue se organizar. O líder absoluto na igreja é o Senhor Jesus. Mas no mundo secular, é necessário nos organizarmos para que possamos ter nossos princípios básicos bem definidos e não sejamos como nômades ou bandos errantes num deserto. Então necessário é que sejam nomeados dentre o povo homens e mulheres distintamente capazes de dedicarem-se ao serviço da Obra de Deus. E para que os demais fiéis reconheçam-nos é preciso que sejam chamados por um adjetivo. Este adjetivo estará indicando a sua posição de responsabilidade que tem, junto à igreja. Então podemos dizer que se a igreja de comum acordo resolve denominar algum ministro pelo adjetivo de pastor, ou ancião ou bispo, isto não está errado. Está correto, pois assim podemos saber quem tem o ofício de ministrar a Palavra de Deus, e aqueles que tem o ofício de cuidar das coisas materiais da igreja.
Assim fica a cargo de uma assembléia a escolha do adjetivo que será utilizado para definir a função de cada ministro.
Sugestivamente indicamos o seguinte:
Ancião/Bispo: designado para exercer o sacerdócio espiritual da igreja. Atendimento de assembléias, reuniões, e administrar os ensinamentos aos fiéis. Atendimento de serviços especiais tais como; Batismo, Santa Ceia Reunião ministerial. Tratar de causas entre os fiéis e familiares, ungir aos enfermos, etc...
Cooperador/Presbítero: designado para auxiliar ao ancião no atendimento espiritual de uma igreja local. Poderá ungir aos enfermos.
Diácono: designado para atender especificamente a necessidade material dos pobres, órfãos e viúvas. Em determinados casos poderá substituir o ancião nos serviços espirituais. Poderá ungir aos enfermos.
Diaconisa: mulher designada para atender aos pobres, órfãos enfermos e viúvas.
Missionários: Nada existe escrito nas Escrituras sobre o ministério específico de missionários. Sendo que todos os fiéis que Deus chamou para a sua graça maravilhosa podem ser considerados um missionário. Quando a igreja e o corpo ministerial achar por bem enviar alguém especificamente para missões, deverá ser considerado o seguinte: Que Deus tenha determinado alguém para tal obra. Não sendo considerado especificamente um 32ministro. Compreende-se como missão àquela que alguém está incumbido de anunciar as boas novas.
A apresentação e ordenação de alguém para o ministério dependerá da revelação pelo Espírito Santo, pois cremos que Deus é poderoso para nos fazer conhecer todas as coisas e nos revelar quem lhe agrada para exercer o ofício ministerial.
Convém, portanto que a igreja reconheça aqueles que forem separados para o ofício ministerial e os considere com grande estima e amor. E que tenham entre vós duplicada honra. I Tess. 5 vs. 12,13-
I Cor. 15 vs. 16.


COMPLEMENTAÇÕES FINAIS
Transcrição da mensagem que Deus por seu Espírito Santo concedeu aos seus servos quando do chamado movimento pentecostal em 22 de abril de 1908 na ASSEMBLÉIA CRISTÃ ITALIANA EM CHICAGO- ILLINOIS- EUA.
Esta mensagem o Senhor deu usando entre os irmãos primitivos em Dom de línguas diferentes sendo interpretada por alguns irmãos que ali se encontravam.
I
• Inclinai os ouvidos, Povos e Nações, inclinai os ouvidos e atendei às Minhas Palavras.
- Estai atentos ao que o Espírito vos diz. O que vedes? É o rico, o poderoso a quem tenho exaltado?
• Sim, em verdade vos digo, não serão exaltados, mas sim, deprimidos; a glória que agora recebem é dos homens e será temporária, mas os mansos e humildes Eu os exaltarei; sua glória é de Deus e permanecerá para toda a eternidade.
• Elegi aqui um povo para minha glória e em outros lugares outro, um terceiro se pode encontrar e ainda mais, tendo-os enviado aqui, ali e acolá através desta terra; assim, diletos, todos vós sois um só povo, uma só família, sim, como um só exército.
• Juntos trazei vossas orações perante mim; seja um único o vosso intento, trabalhai como se fôsseis só um, apesar de no corpo vos encontrardes separados.
• Que cada um seja fiel, não vos afasteis, Eu estou convosco. Não vos tenho manifestado a Mim mesmo? Sim, quantas vezes minha glória tem enchido este lugar! Maior glória será manifestada conforme vos submeterdes e obedecerdes.
• Implorai o Meu Sangue, tomai meus conselhos para não serdes enganados, porque Eu vos tenho avisado do proceder do vosso inimigo. Eu não engano. É satanás quem engana. Eu sou a Verdade e a Vida. Eu sou a luz do mundo; aqueles que caminham em Mim não caminham em trevas. Aqueles que confiam em Mim jamais serão enganados.
• Considerai a minha voz, vós povos, porque ela é para vós e para todos aqueles que crêem em Mim.
• Ponde vossa afeição nas coisas celestiais; o tempo está próximo, breve virei e par Mim recolherei os meus eleitos.
• Então o mundo confessará, apesar do homem ser mentiroso, que Deus é veraz.
• Diletos, orai continuamente, sêde sóbrios de mente, perseverai no amor fraternal, não por vosso próprio amor, mas por amor de Mim; e, Meu nome amai-vos uns aos outros, com o mesmo amor com que vos amei e permanecei continuamente sob o meu Sangue.
II

• Eu, o Senhor Deus, operarei. O homem tem impedido, a carne no caminho tem me servido de impedimento; a vontade humana Me é posta à frente; mas Eu operarei, nenhum homem Me impedirá.
• Vós todos sereis postos em prova; vós todos sereis joeirados; todavia o Meu Filho está suplicando por vós para que a vossa fé não seja anulada.
• Nuvens escuras chegarão, mas Eu farei com que o Sol as dissipe.
• RECORDAI O QUE VOS TENHO FALADO.
• Nas provas invocareis o meu Nome e eu vos responderei. Então conhecereis melhor que eu, o Senhor vosso Deus, vos tomei pela minha mão.
• Nesses dias chamar-Me-eis Emanuel, porque Eu sou convosco.
• Então direis: O Senhor nos tem ajudado e libertado. Potente é o seu Nome.
• Se obedecerdes à minha voz, Eu vos abrirei os tesouros escondidos por muitas gerações, sereis grandemente maravilhados e vosso coração transbordará de alegria. Sim eu abrirei as janelas do Céu e vereis, então, além do véu.
• Quando minha igreja se desviou, foi então que Eu fechei a porta à minha glória. Do que te agora haveis visto o melhor foi só o sabor da minha glória. Mas minha glória, não a haveis visto. Oh! Obedecei então à minha voz e Eu vos farei ver a minha glória.
• Não tomeis a com leviandade porque o tempo é breve; não sejais indiferentes porque eis que Eu logo venho.
• Os reinos caem. As repúblicas oscilam. As monarquias vacilam. Eis a mudança do tempo.
• A terra vacila como o homem ébrio, o coração do homem nele falha pelo medo, o espírito de inquietação toma posse de todo o povo da terra. Todavia a paz e o repouso será a porção dos que põem sua confiança em Mim.
• Eis que o princípio veio, mas o fim não veio ainda.
• Eu porei no meu povo o espírito de Elias e aquele despertará com insistência a oração até que o Céu seja aberto e a terra seja regada.
• Todavia serão perseguidos por causa do meu Nome, cantarão ainda uma vez os meus cânticos entre as grades das prisões, mas será por pouco tempo. Eu chegarei. Eis que vos tirarei fora de cada nação.
• Sois a minha esposa. Oh! Revesti-vos de vossas vestes nupciais! Não tardeis, apressai-vos, porque Eu estou para vir. Limpai-vos a vós mesmos, porque só aqueles que têm as mãos limpas e os corações retos poderão permanecer à minha presença.
• Tirai de vós todo o peso, ponde à margem todo o estulto falar; tendo a mente sóbria sêde fervorosos no espírito; não busqueis o vosso próprio bem; fazei bem a todos, deixai que vossa luz resplandeça porque, fazendo assim, Eu serei glorificado.
• Todos os vossos afetos sejam para Mim. Tenha a paciência uma obra perfeita. Sejam todas as mãos fortificadas; que o fraco diga: eu sou forte. Sejam fortificados os joelhos vacilantes para comparecerem perante Mim.
• Cingi vossos lombos com a Verdade, porque cada um de vós deve ir à batalha.
• O inimigo reunirá todas as suas forças em uma só. Eu abrirei vossos olhos para verdes uma multidão como nunca haveis visto e ela vos cercará de todos os lados.
• Eu, o vosso Capitão, irei à vossa frente; Eu venci a batalha. Vós ficareis quietos e vereis como os vossos inimigos cairão à vossa frente.
• Louvareis o meu Nome e clamareis pela vitória. Assim tenho Eu falado, assim Eu executarei. Sêdes fiéis aos meus ensinamentos, não os deixeis passar nem de leve: assim fala Aquele cujos olhos são como uma chama de fogo, cujos cabelos são brancos como a lã, cujos pés são semelhantes ao latão reluzente provado pelo fogo, como se houvesse sido refinado numa fornalha e cujo semblante iluminará todos aqueles que se achegarem à Sua presença.

III
• Eis as potentes operações que Eu farei, estou principiando.
• Eu tenho ensinado o meu povo e já lhe tenho dito que não deve parar nos primeiros rudimentos, mas deve ir avante até a perfeição.
• Alguns têm se submetido à minha voz, outros não, porém, Eu estou operando.
• Dizei à minha congregação que não tome as coisas com pouca importância, porque a pouca importância traz a desunião e Eu não posso habitar na confusão e aí não permanecerei.
• Eu vos tenho eleito para que proclameis a minha Palavra.
• Eu permitirei que se riam de vós: vós não deveis ser honrados pelos homens; Eu vos honrarei.
• Chamar-vos-ão loucos por minha causa; mas Eu vos confessarei perante a meu Pai.
• Sobre vós cuspirão e com desprezo os homens sacudirão a cabeça.
• Eis que nesses dias que estão mui próximos, aquele que vos der um copo d’água não perderá o seu galardão.
• Estareis a meus pés e aí na minha presença ouvireis os mistérios do Céu. Aí vos revelarei os meus segredos.
• Então o vosso coração será como uma chama ardente. Os meus filhos não devem juntar tesouros nesses últimos dias e, se assim o fizerem, serão em breve tomados e possuídos pelo anticristo.
• Sêde limpos, sêde livres, sêde vazios para que Eu vos encha.
• Em breve ouvireis de todas as partes do mundo que eu tenho derramado o meu Espírito, semelhante como aqui.
• Eu enviei a linguagem para um testemunho. Eu enviei as profecias para edificar o meu povo. Eu determinei curas para que o meu Nome seja glorificado em vosso corpos mortais.
• Eis que Eu tenho enviado o Espírito de sabedoria; eu tenho dado discernimento para que vós não vos desvieis da vereda para a qual Eu vos tenho chamado.
• Eu tenho dado interpretações de línguas.
• Assim será em toda a terra, nas nações, nas tribos e nas raças, todos conhecerão o Evangelho de meu Filho, para que todos sejam julgados segundo esse Evangelho.
• Não sejais de mente elevada, não sejais cheios de vós, para que tenhais este tesouro em vasos de terra, para que a excelência do meu poder provenha de Mim e não de vós.
• Assim glorificai a Mim em vossos corpos mortais, nos quais, depois que o Meu espírito neles entrou, não são mais vossos, mas Me pertencem.

Prefácio



Os assuntos aqui abordados são de inteira necessidade para que cada um possa conhecer melhor a doutrina e aplicar o seu coração com sabedoria em servir ao Senhor com justiça, fé, esperança e verdade.
E que ninguém se espelhe apenas nestes ensinos, mas constantemente examine as escrituras, pois cuidamos ter nela a vida eterna.

À Deus e ao Senhor Jesus Cristo, sejam dadas honra e glória para todo o sempre.
Amém



Ficou considerado na Convenção que todos os membros integrantes das Igrejas Assembléia Cristã no Brasil deverão seguir fielmente os artigos de fé e doutrina e ensinamentos constados aqui para segurança e prosperidade espiritual da igreja, sempre dependendo da guia do Espírito Santo de Deus e de sua fiel Palavra.

À medida que forem necessários novos ensinos poderão ser incluídos junto a estes pela vontade do Senhor.

Dada por encerrada esta convenção.



João 5:39
EXAMINAI AS ESCRITURAS, PORQUE VÓS CUIDAIS TER NELAS A VIDA ETERNA, E SÃO ELAS QUE DE MIM TESTIFICAM


II Tim. 3,16- TODA A ESCRITURA DIVINAMENTE INSPIRADA É PROVEITOSA PARA ENSINAR, PARA REDARGUIR, PARA CORRIGIR, PARA INSTRUITR EM JUSTIÇA.

Diante destes versículos bíblicos, asseguramos que para alcançarmos pleno conhecimento e sabedoria, devemos examinar as Escrituras e pedirmos ao Senhor sabedoria do alto.



Edição nº01

Janeiro/2004
Postar um comentário

Google+ Followers